• HIROSHIMA – A CIDADE DA CALMARIA

    A história se situa nos arredores de Hiroshima, onde em 1945 a primeira bomba nuclear foi lançada. A detonação em si foi responsável pela morte de mais ou menos 160 mil pessoas em Hiroshima e 80 mil em Nagasaki. Mas mais de 420 mil pessoas morreram por terem sido diretamente afetadas pelas bombas, seja por doenças relacionadas ao contato com a radiação, pelos ferimentos e queimaduras ou câncer.

    Para essa segunda leva, a vida foi uma tortura, psicológica e física. Famílias inteiras viam seus parentes falecerem um a um das doenças mais sérias e incuráveis da época. As crianças constantemente nasciam com mutações, mortas ou faleciam muito cedo. Fora que após perderem todos os seus bens viviam em barracos numa realidade de pobreza. E mesmo aqueles que conseguiram passar da primeira geração afetada, ainda sofrem com o medo, a dor e o preconceito.

    E esse mangá vai tratar exatamente dessas vítimas da exposição à bomba. Mostrando com um exemplo suave a dor e sufoco de uma parcela do povo japonês.

    A obra é dividida em 2 histórias sobre uma mesma família, mas em tempos diferentes. A primeira se chama “A Cidade da Calmaria” (Yuunagi no Machi) e a segunda, divida em duas partes, “A Terra das Cerejeiras” (Sakura no kuni).

    A primeira conta a história da primeira geração, alguém que vivenciou a morte e desgraça ao vivo. Ela conta como aquilo afetou psicologicamente a protagonista Minami Hirano e sua mãe. Além de mostrar como o povo de Hiroshima viveu e reagiu após o holocausto.

    Na segunda história, na primeira parte os protagonistas são a segunda geração da bomba, filhos do irmão da moça da história anterior. É possível ver a doença constante do filho mais velho e como essa realidade pesa na família. Além de como isso influencia a segunda protagonista, Nanami Ishikawa, sobrinha da primeira.

    Na última parte estamos de novo com os mesmos protagonistas acima, e desta vez se explora o preconceito contra os Hibakusha (pessoas afetadas pela explosão) e as memórias do pai. Talvez preconceito seja uma palavra forte demais, mas o medo das outras famílias de aprovarem casamento com essas famílias afetadas.

Main Menu